quarta-feira, 20 de setembro de 2017

Deus e o diabo na terra do sol

 

Deus e o diabo na terra do sol é um filme escrito e dirigido por Glauber Rocha, um cineasta Baiano nascido em 14 de março de 1939 em Vitória da Conquista. Esta produção foi ganhadora de prêmios internacionais e é uma marca representativa do cinema novo que procurava abandonar o cinema dos estúdios e realizar um “cinema de verdade” retratando as questões sociais e culturais do Brasil.

O filme narra a história de uma casal sertanejo, chamados Manoel e Rosa. A narrativa toma uma maior importância quando Manoel é explorado por um outro personagem a quem denomina-se Coronel, um homem que aparenta ter muitas terras e que vive no poder político da região.

Tudo muda quando Manoel acaba se revoltando com o coronel e o mata, perseguido pelos outros, ele e sua esposa Rosa fogem e acabam encontrando um beato chamado Sebastião, esse promete o fim do sofrimento de Manoel através de rituais católicos. Com o passar do filme o beato acaba sendo morto por Rosa e a partir desse momento o filme começa a tomar outros rumos inesperados.
O filme inicia-se mostrando a seca do sertão, bichos mortos, grande números de mosquitos sobre esses cadáveres de animais, terra rachada indicando a falta de água no lugar e o personagem Manoel que em um primeiro momento parece já acostumado com essa situação e com o local.

A narrativa segue e logo vemos um pequeno grupo religioso fazendo um tipo de ritual que a religião permite, Manoel chega perto mas vemos que os personagens não chegam a dar muita atenção e continuam seguindo o seus caminhos. Quando ele chega em casa conta para a esposa, e esta que trabalha socando o que parece ser para fazer farinha não lhe dá atenção, ele vai ao encontro com a mãe e essa também não parece está comovida.

Logo, temos uma parte mostrando um detalhe da comida, parece ser uma farinha de mandioca em que os próprios personagens preparam para se alimentar. Durante este percurso no filme vemos que existe um detalhe em especial quando nos é mostrado a máquina de fazer a farinha, uma espécie de roda que nos passa a sensação de que eles estão sempre acostumado com aquilo, uma questão de rotina que é seguida todos os dias.

Entendemos pela expressões dos personagens que aquilo não parece ser novidade, é uma qualidade de vida que não tem como fugir, apenas aceitar e sobreviver.

O filme toma partida quando Manoel decide entregar as vacas do coronel e tentar ganhar um pouco do que seria pagamento pelo serviço. Vemos que ele vai até o que parece ser centro da cidade, porém com pessoas não muito diferente dele, todas com vestimentas simples, uma música ao fundo demonstrando uma animação que não nos é passada até então e um encontro do que seria o começo da trama.

Quando Manoel chega ao Coronel diz que morreram quatro vacas, porém o Coronel diz que as que morreram seriam o pagamento dele. Nos perguntamos se isso não é uma demonstração de luta de classes? O coronel, homem que percebemos ser dono de muitas terras e com o poder político maior não o vê perdendo nem um pouco do seu dinheiro, muito pelo contrário, percebemos que quanto mais ele tem mais ele quer, ao mesmo tempo tomamos conhecimento que devido sua influência é capaz de fazer qualquer coisa para defender o que acha certo e ter o que seria seu.

O Coronel acaba dando umas chicotadas do vaqueiro Manoel, que por fim acaba revidando e o matando a facão, alguns vão atrás dele, sua mãe acaba sendo morta no meio da perseguição e para não ter mais problemas de pessoas correndo atrás dele para vingar a morte do Coronel, Manoel acaba fugindo com sua esposa pelo sertão.

Após esse acontecimento, Manoel leva sua esposa para se juntar as pessoas que ouvem e seguem Sebastião, um beato que não é muito de falar sobre outros assuntos que não seja Deus, Santos e os seus milagres. No caminho de pedras,Manoel e Rosa discutem e Manoel leva Rosa ao chão fazendo nos pensar sobre a importância que a religião toma na vida das pessoas
.
Com a narrativa do filme acontecendo, vemos por outro lado um grupo de religiosos, ao que parece ser padres discutindo a respeito de Sebastião e a comparando com a Guerra de Canudos, eles encomendam um matador de aluguel para matar Sebastião e esse acaba aceitando depois que o padre oferece muito dinheiro a ele.

XL


Nesse tempo narrado, vemos vários temas que poderia ser analisado, um deles é a postura do Coronel, do Sebastião e da Igreja Católica. Os três acabam representando de maneira separada um poder de Estado e político na região. O coronel citado anteriormente tem o poder e quer tudo para si, percebemos na fala do personagem e na sua atitude que por ser um homem rico e por ter boas influências acaba demonstrando que se pode fazer tudo que lhe convém. Sebastião que apela pelo lado religioso não deixa de ser diferente, vemos como é seu poder através dos fiéis que a todo tempo nos é passado como pessoas atentas ao beato, ele por sua vez acaba se tornando dono da situação e tomando partida do que acha que deveria ser certo ou não para entrarem ao céu e conhecer um suposto paraíso. A Igreja Católica por perceber que o poder de ter pessoas do beato é grande acaba contratando um matador de aluguel que no primeiro instante não aceita matar pois ele mesmo diz que talvez acredite mesmo no poder do beato, porém quando a Igreja dobra o valor do dinheiro para conseguir o que quer esse acaba aceitando. Nos perguntamos até onde vai o gosto pelo poder e pelo dinheiro.

Outra questão que vemos também é a religiosidade que a todo momento está em relevância. Sebastião acha que tem a missão de salvar os outros mais que esses devem antes merecer, seguindo uma série de rituais como a que Manoel acaba fazendo, andar com uma pedra na cabeça por distâncias. Até onde vai a fé das pessoas? O filósofo Karl Marx diz em 1844 que a religião é o ópio do povo e ele não estaria certo devido a tudo que nos é passado no filme? Percebemos que as pessoas que seguem Sebastião são justamente as que não tem poder nenhum e que chegam a passar fome.

Começam a acreditar em Sebastião porque sonham com a vida melhor, acabam alimentando uma incerteza, pois além de sentirem bem acreditam que todo o sofrimento vai acabar. A religião no filme se torna importante porque vemos que as pessoas precisam acreditar em algo para fazer as coisas, Manoel nunca teria seguido os fiéis se naquele momento não estivesse passando pela dificuldade que estava naquele momento.

A necessidade de uma crença fez aquele povo acreditar que algo melhor viria, é uma fé que vemos que faz as pessoas se sentirem melhor com elas mesmo, Manoel mesmo passando por todas as dificuldades que teve de passar para supostamente ser perdoado por um deus, se sente menos cheio de culpa. As pessoas passando por momentos complicados como a seca e a fome acabam aceitando qualquer coisa que lhes convém, no caso do filme vemos que para elas convém acreditar em um mundo melhor e fácil, que seria o mundo que Sebastião tanto fala existir atrás das montanhas.

Outro ponto importante é a questão da mulher no filme, Rosa esposa de Manoel está muito presente na maioria das cenas, porém de maneira muito relevante. Ela é contra o marido de ir com Sebastião mas a todo momento vemos que ela o acompanha mesmo dizendo que aquilo seria uma ilusão. Existe uma oposição de emoção e razão no filme, por um lado vemos que quem deveria ir para o lado da razão provavelmente seria o homem, ou seja Manoel, mas isso não acaba acontecendo pois Manoel está totalmente iludido pela religião, seu lado emocional acaba sendo mais forte, a todo momento ele está acreditando em algum milagre e que tudo pode dar certo pois Sebastião está com ele, já a Rosa consegue ter um lado mais voltado para a razão, ela consegue ver como Sebastião cega seus seguidores e notamos que ela percebe o real estado da situação até mesmo sobre a seca quando ela diz que do outro lado também é a seca que existe.

XL


O filme volta ter um ápice novamente quando Manoel e Sebastião matam uma criancinha acreditando que aquilo vai fazer de Manoel uma pessoa melhor. Rosa que está deitada no chão é quem vai tomar a importante decisão, ela mata Sebastião.

Uma série de acontecimentos acontecem a partir desse momento, pois é quando o matador encomendado pela igreja chega e mata boa parte dos fiéis, deixando apenas o casal vivo para se dizer que eles estão vivos para contarem história. Porém Manoel consegue encontrar outros fieis e toma um inicio de se vingar do acontecimento.
Existe uma parte irônica no filme que é quando eles invadem uma casa e estupram a noiva do Coronel da cidade, e quando eles acreditam matar porque estariam não deixando o pobre morrer de fome. Isso acontece porque Manoel e Rosa vagando pelo deserto depois do acontecimento trágico, encontram Corisco que acredita trabalhar com um lampião que está vivo dentro dele.

Percebemos a todo momento que existe uma dualidade nos personagens, como se em todos eles existisse o Deus e o Diabo ao mesmo tempo, eles possuem um tipo de bondade e um tipo de amor mas ao mesmo tempo eles são capazes de matar, estuprar e se vingar de algo que eles mesmo não sabem exatamente o que é, uma linha tênue entre o bem e o mal.

Outro fator importante descrito um pouco anteriormente é a questão do que se passa no que seria o sertão. A cidade é vista como centro de um comércio, comida e animais todos expostos já o sertão é como uma imensidão perdida sem ponto de entrada e saída.

Existe também um ponto importante a ser levantado que é a questão do amor/ amizade feita entre as duas personagens feminina no filme. Quando vemos Dadá, mulher de Corisco, percebemos nela uma profunda imensidão de sentimentos, nos perguntamos se a Rosa entende o que ela passa ou seria apenas uma demonstração de afeto.

O final acaba se tornando um pouco confuso, principalmente quando sozinhos na colina Rosa e Corisco se beijam, um beijo brutal que fica estranho aos nossos olhos. Depois de perceberem que todos estão meio que em uma situação sem saída, já que eles perderam totalmente o controle de tudo e estão prestes a morrer mesmo,

Manoel vira para Rosa e pergunta se ficará ou irá embora e ela responde que está com ele para viver.

Antes de Corrisco morrer ele diz que mais forte são os poderes do povo, seria essa uma verdade? visto que ele acreditava estar com o poder do povo e acaba morrendo e tendo a cabeça cortada. Rosa e Manoel correm pelo sertão, Rosa cai enquanto Manoel continua correndo, o narrador começa a cantar uma música que diz que o sertão vai virar mar e o mar vai virar sertão, que assim mal dividida a terra há de errar que a terra é do homem não é de Deus nem do Diabo.
O filme acaba mostrando o mar, seria essa uma representação da mudança do personagem?